"Please don't think of us as an 'indie band' as it was never meant to be a genre, and anyway we are far too outward looking for that sad tag." - Stephen Pastel

terça-feira, 24 de junho de 2008

Gralhas e aves marinhas

Foto: Mary Sledd

A origem dos Shearwater remonta à alvorada da corrente década, quando Jonathan Meiburg e Will Sheff, membros dos Okkervil River, sentiram a necessidade de criar um projecto paralelo para dar vazão a uma série de canções mais calmas que não encaixavam na sua banda principal. Dado o primeiro passo, cedo o primeiro assumiu esta empreitada a tempo inteiro, enquanto Sheff vai colaborando como pode nas horas vagas da cada vez mais carregada agenda ao leme dos Okkervil River.
Com Rook, o quinto álbum lançado recentemente, estreiam-se na respeitável Matador Records. Este disco sucede a Palo Santo (2006), responsável pela afirmação dos Shearwater como nome maior do cenário indie-folk. As dez delicadas canções que compõem Rook, reminiscentes de Tim Buckley, Leonard Cohen, ou Nick Drake, parecem prometer voos mais altos para a banda responsável por aquele que será, seguramente, um dos discos mais bonitos do ano.

Shearwater no MySpace

2 comentários:

Fábio Jesus disse...

La Dame et La Licorne começava em grande estilo o álbum anterior, saltando do habitual tom calmo e suave que os caracteriza para um fabuloso "Bring back my boy!", que é com certeza coisa para trazer um arrepio à espinha de muito boa gente.

Este ainda não ouvi tanto quanto gostaria, mas o primeiro single, "Rooks", ficou-nme no ouvido.

"and we'll sleep until the world of man is paralyzed"

Abraço

Shumway disse...

A ouvir com atenção...

Abraço