"Please don't think of us as an 'indie band' as it was never meant to be a genre, and anyway we are far too outward looking for that sad tag." - Stephen Pastel

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Singles Bar #24







UNKLE ft. IAN BROWN
Be There [Mo' Wax, 1999]


You don't wanna go there
Let me lead you by the hand
You don't wanna be there
Over the sea and down to land

As I look into your eyes
I pay no mind
I found the way
To get inside you
I'd give you peace of mind

Am I see you falling?
Am I see you falling?
I might see you falling beautiful
The same

Em 1998, a euforia inicial criada em torno da música produzida na cidade de Bristol começava a esvaziar-se. Psyence Fiction, o primeiro álbum dos UNKLE, surgia como uma espécie de balão de oxigénio para o género que convencionou designar-se por trip hop. Nesta altura, os cabecilhas do projecto eram James Lavelle (patrão da Mo' Wax) e Josh Davis (mais conhecido por DJ Shadow), dois figurões nas tendências da música electrónica de então. Não menos ilustres eram os convidados que davam voz às peças de corte-e-colagem da dupla: Thom Yorke, Richard Ashcroft, Mike D dos Beastie Boys, Damon Gough (o eminente Badly Drawn Boy), entre outros. De então para cá, já sem a colaboração de DJ Shadow, Lavelle tem retomado o projecto com alguma frequência, mas sempre sem o brilho da estreia, um caso sério de sucesso crítico e comercial.
Não obstante a relevância de Psyence..., os UNKLE merecem um lugar na posteridade, sobretudo, por uma canção, que por acaso nem consta do alinhamento do álbum. "Be There" é o retomar de "Unreal", um faixa instrumental incluída em Psyence..., a que Ian Brown - o ex-vocalista dos Stone Roses - adicionou letra e voz. Esta colaboração acaba por resultar como o casamento perfeito: no meio das trevas sugeridas pela parte instrumental - elaborada a partir de um engenhoso trabalho de sampling -, a voz e as palavras de Brown, naquele estilo inconfundível, surgem como as de um profeta salvador. No fundo, "Be There" encerra em si os temores e as esperanças da espécie humana num período não muito distante da História - o abeirar do ano 2000.


8 comentários:

Kraak disse...

Este single é bem fixe, sim senhor. O álbum dos UNKLE onde se encontra, 'Psyence Fiction', é gigantescamente muit'a bom! :D

Hugzz!

Miss C. disse...

Kraak, a tua edição tem esta faixa? A minha não tem.
Comprei o álbum e o single e andei que tempos porque estava completamente viciada nesta canção.
Ainda hoje me dá instantaneamente vontade de dançar...

Miss C. disse...

*que tempos a ouvi-lo em contínuo

O Puto disse...

O álbum e o single são um excelente conjunto. Na altura comprei os dois. Não sei se agora existe uma edição especial com os dois. Ainda assim, também apreciei bastante o mais recente álbum do projecto.

M.A. disse...

Há de facto edições - penso que japonesas - do álbum que incluem esta faixa no alinhamento.

B&A

extravaganza disse...

Já andei viciada nesta música, também! É gira, mesmo gira. Como nós, Miss C. :-)

Aliás, ouve-se isto e agarra-se logo a nós tipo lapa...

M.A., quero dançar isto na próxima sessão de Incognitate, plize. Thanks! :-)

M.A. disse...

Terei todo o gosto em atender ao pedido das miúdas mais giras que costumam passar por este blogue :)
Logo que a ocasião se proporcione, é claro!

extravaganza disse...

As mais giras e as únicas, refira-se. Já agora. ;-)