"Please don't think of us as an 'indie band' as it was never meant to be a genre, and anyway we are far too outward looking for that sad tag." - Stephen Pastel

terça-feira, 8 de abril de 2008

GENÉTICA POP

Com um pai como Neil Finn (Crowded House) e um tio como Tim Finn (Split Enz), não espantará a entrada precoce do jovem Liam no maravilhoso mundo da pop. Acabado de entrar na adolescência, era já frontman dos mui recomendáveis Betchadupa, banda neo-zelandesa praticante de um indie rock ruidoso descendente da santíssima trindade Sonic Youth - Pixies - Nirvana.
Hoje membro da formação de palco dos regressados Crowded House, Liam tem ainda tempo para gravar álbuns a solo onde toca praticamente todos os instrumentos. I'll Be Lightning, lançado na Austrália e na Nova Zelândia em meados do ano passado, e agora disponível na Europa, é um disco feito de canções pop à procura da perfeição que, não negando um apego à cartilha Beatles/Beach Boys, revelam já um compositor com uma certa maturidade.
Não deixa de ser curioso constatar algumas semelhanças estéticas entre I'll Be Lightning e Friendly Fire, o injustamente ignorado último disco de Sean Lennon, filho de you know who. Coincidências felizes...

Liam Finn no MySpace

3 comentários:

Lídia Gomes disse...

Parece que o sobrenome Finn tem um padrão. Só faltava mesmo o Craig tanbém ser da familia:)

Bj

Lídia Gomes disse...

também*

M.A. disse...

Quer-me parecer que é mais um feliz coincidência... :)