"Please don't think of us as an 'indie band' as it was never meant to be a genre, and anyway we are far too outward looking for that sad tag." - Stephen Pastel

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Arte Pop #5

















THE SOUND
From The Lion's Mouth
(Korova, 1981)

Por motivos de ordem vária, no último fim-de-semana recordei um disco que outrora me marcou profundamente. Hoje, considero-o um produto do seu tempo - algo datado - e que fica claramente a perder na comparação com os seus pares (Joy Division, Echo & The Bunnymen). Mas aquela capa continua a ser um assombro!

Alinhamento:

1. "Winning"
2. "Sense Of Purpose"
3. "Contact The Fact"
4. "Skeletons"
5. "Judgement"
6. "Fatal Flaw"
7. "Possession"
8. "The Fire"
9. "Silent Air"
10. New Dark Age"

6 comentários:

Lídia Gomes disse...

A obra em geral pode não ser do nível de uns Joy Division mas por vezes penso que a Winning é a música que o Ian Curtis nunca fez. A chamada "malha dos diabos"!

O Puto disse...

Este gajos têm temas excepcionais, como a maioria dos que estão neste álbum.

ruicarvalho disse...

ESTE ALBUM FOI DOS QUE EU (E TODO O MUNDO RADIOFONICO )MAIS OUVI NOS ANOS 80,FOI ATÉ SATURAR

Shumway disse...

Pode soar datado, mas é fundamental para compreender o "indie-rock" dos anos 80.

Abraço

strange quark disse...

Sou mais um a achar esta obra para o datado, sem dúvida, embora me questione se aquilo que designamos datado não são apenas obras musicais que tiveram poucos descendentes. Na altura ouvi bastante o disco mas acabou por caír no esquecimento. E quanto a "winning" logo ali se revela que as capacidades vocais e harmónicas de Adrian Borland eram deveras limitadas apesar de ser uma grande canção.

M.A. disse...

Também considero "Winning" uma grande canção. Mas eu, não sei bem porquê, sempre preferi "Judgement".
Quanto à banda propriamente dita, são um dos casos mais conhecidos (os outros serão os Chameleons e os Comsat Angels) das inúmeras bandas que em inícios dos 80s tentavam desenvolver um híbrido resultante do cruzamento dos Joy Division com os Bunnymen. Faziam, por vezes, grandes canções. Se bem que, na maioria dos casos, o talento não abundasse. Já para não falar da originalidade...