"Please don't think of us as an 'indie band' as it was never meant to be a genre, and anyway we are far too outward looking for that sad tag." - Stephen Pastel

domingo, 24 de junho de 2007

PAVEMENT MEETS THE BEATLES

Depois de um começo com alguma indefinição entre as cenas baggy e shoegazing, os Blur souberam reinventar-se como os dignos recuperadores da cultura mod para o fim de século, tornando-se uma das maiores bandas do Reino Unido.
Em 1997, cansados das "guerras" do brit pop alimentadas por uma certa imprensa tablóide, dá-se nova metamorfose no som da banda londrina com a edição do seu álbum homónimo, o quinto na sua carreira.
Para a definição da sonoridade daquele que é muitas vezes considerado "o disco americano dos Blur" muito terá contribuído a amizade de Damon Albarn com Stephen Malkmus, líder dos incontornáveis Pavement. Os primeiros sinais dessa mudança, com evidentes aproximações ao som da referida banda ianque, foram logo dados por "Beetlebum", o fulgurante single de avanço para o álbum. Com uma notável performance de Graham Coxon na guitarra e a voz de Damon Albarn a fazer lembrar um Sir Paul dos tempos do White Album, "Beetlebum" teve ainda o condão de pôr os Blur a soar mais Beatles do que os Oasis alguma vez conseguiram.
Fazendo justiça à importância histórica de "Beetlebum", os fãs elegeram-no o melhor single de sempre da carreira dos Blur através de uma votação on line realizada no sítio
Blur Talk.
A título de curiosidade, aqui ficam os "dez mais":

1. Beetlebum
2. The Universal
3. Coffee & TV
4. Popscene
5. For Tomorrow
6. To The End
7. End Of A Century
8. Song 2
9. Tender
10. Chemical World

5 comentários:

Lídia Gomes disse...

Parece-me uma lista justa. Sem ser nenhuma entusiasta dos Blur, ouço-os sempre com muito carinho e respeito relembrando-me daquele ano de 96 em que todos esperavamos sessões de pancadaria entre o Damon Alburn e os manos Gallegher.

Aproveito para deixar aqui um elogio ao estaminé. Descobri-o há pouco tempo mas parece-me dos blogs mais completos e bem escritos desta enorme blogosfera.

Aparece também no meu

http://osnovospornografos.blogs.sapo.pt
(em tributo, claro, a essa banda que ao que parece ambos veneramos!)

M.A. disse...

Cara Lídia:
Confesso que fico muito lisonjeado com as tuas palavras que a modéstia me leva a qualificar de exageradas.
Serão conceteza um incentivo a um maior empenho na divulgação "daquelas músicas" que merecem não ser esquecidas.

Também já dei um salto à tua tasca (com um nome desse não podia faltar!) e fiquei deveras agradado.
Hei-de voltar...

Sea disse...

Lembrar Blur, é recuar até 1991,quando saiu o 1º álbum -Leisure.
Do trabalho homónimo, destaco a On Your Own e, principalmente, a Song 2, sem esquecer a incontornável Beetlebum.
Não sendo a melhor música de Parklife mas, adorava a Girls & Boys.
Ainda que os Oasis se tenham tornado campeões de vendas e ganho a "disputa" da maior banda britânica da altura, não seriam, a melhor :)

Joe disse...

Realmente... whatever happenned to Girls & Boys? E ao There's no other way? Isto das listas...

M.A. disse...

Por acaso tb estranho a ausência do Girls & Boys nos lugares cimeiros, e até do There's no other way (se bem que dessa fase prefira o She's so high)
Se votasse, o meu voto iria tb para o Beetlebum...isto porque You're so great não foi single...