"Please don't think of us as an 'indie band' as it was never meant to be a genre, and anyway we are far too outward looking for that sad tag." - Stephen Pastel

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Duetos #9















Quando a música produzida no Canadá se tornou o zeitgeist da blogosfera, já eles tinham alguns anos de estrada. Praticantes de uma sonoridade resultante do improvável cruzamento de Springsteen com os Fugazi, consta que foram notados por pouco mais que meia dúzia de gatos pingados. A este propósito, lembro que nunca é tarde para se corrigir uma injustiça. Ela, por seu lado, é quase uma estrela. Dona de uma daquelas vozes bonitas e certinhas, faz música tão útil ao bem-estar das populações como o vírus do subtipo H5N1, ou os programas do José Figueiras. O tema, escrito pelos irmão Gibb (os Bee Gees, nem mais!), foi originalmente gravado em 1983 nas vozes do inenarrável Kenny Rogers e da voluptuosa Dolly Parton. Embora todos os indicadores apontem em sentido contrário, o resultado final é uma bela versão merecedora de um vídeo digno desse nome:


Constantines + Feist "Islands On The Stream" [Arts & Crafts, 2008]

3 comentários:

Miss C. disse...

Nem parece ela... Está... Contida.
[Gosto dos Constantines mas acho que afirmá-lo depois do que escreveste é soar pretensiosa...]
Mas gostei desta versão.

O Puto disse...

Não considero uma grande injustiça, nem uma injustiça sequer, até porque os Constantines não são assim tão desconhecidos e a Feist tem a fama que merece.
No meu longíquo 7º ano de escolaridade (teria eu 12 anos), fui interpretar, com uma amiga, numa daquelas festas de final de ano lectivo, o tema "We've got tonight", originalmente um dueto de Kenny Rogers com a menina Sheena Easton. :S
Abraço!

M.A. disse...

Pelo menos para mim não são tão conhecidos como merecem. Isto se tivermos em conta a aclamação recebida por alguns projectos canadianos de mérito duvidoso. Como a Feist, por exemplo, que para mim não passa de uma cantadeira inconsequente. De outras paragens, poderia também referir a Joana como Mulher Polícia, ou aquela sueca de nome esquisito. Mas claro que isto é tudo muito relativo.
Abraço!