"Please don't think of us as an 'indie band' as it was never meant to be a genre, and anyway we are far too outward looking for that sad tag." - Stephen Pastel

quarta-feira, 29 de agosto de 2007

10 ANOS É MUITO TEMPO #1

Ainda de férias mas de volta às lides, tenho a honra de apresentar uma nova rubrica que irá marcar a vida futura deste blogue. Para além de assinalar a passagem de uma década desde a edição de obras marcantes na vida deste vosso escriba, esta nova secção deixa também uma desagradável sensação de envelhecimento no mesmo. Portanto, mãos à obra que o tempo urge!
SUPER FURRY ANIMALS
Radiator (Creation, 1997)

Surgidos em pleno furacão britpop, os galeses Super Furry Animals (SFA) exibiam um ar displicente e letrado que constrastava de forma evidente com a conduta laddish dos seus contemporâneos. Tais características valeram-lhes a atenção de Alan McGee, que os tornaria a última banda realmente relevante na história da Creation Records.
Depois de um primeiro álbum e uns quantos singles promissores, surgia Radiator, a primeira obra-prima de uma carreira que se mantém até aos dias de hoje sem conhecer pontos fracos. Nele, o caldeirão de elementos supostamente antagónicos (psicadelismo, easy listening, pop, progressivo, techno, rock abrasivo,...) já evidenciados na estreia, ganhava em refinamento sem perder em acessibilidade, deixando críticos e público boquiabertos.
Para conferir um certo ar de misticismo, Gruff Rhys, cantando num tom que tinha tanto de gravidade como de ironia, recorria amiúde à língua galesa para se exprimir.
Acrescente-se ainda que o belíssimo artwork de Radiator assinala o início de uma longa e proveitosa parceria dos SFA com o (também galês) artista gráfico Pete Fowler, a qual se manteve até ao álbum Love Kraft de 2005.

5 comentários:

eduardo disse...

bom disco e boa banda.

Shumway disse...

O guerreiro regressou...
E aproveitou a edição de mais um disco dos SFA, para recordar um dos seus melhores trabalhos.
Até a cantar em galês eles são bons.
Eu como sou um romântico incurável tenho como preferido o "Rings Around the World"
Abraço

M.A. disse...

O "Rings around the world" também é o meu preferido. Deve ser do romantismo incurável, como dizes.
Mas este, para além de me ter aberto a pestana para estes rapazes, está logo a seguir na ordem de preferências.

Abraço

Se Ao Menos O Percebesse disse...

Eu cá gosto do Mwng...
eheheheheh

O Puto disse...

Eu, desde que comprei a colectânea de singles, fiquei rendido.