"Please don't think of us as an 'indie band' as it was never meant to be a genre, and anyway we are far too outward looking for that sad tag." - Stephen Pastel

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Uma pequena alegria
















Foto: Autumn de Wilde


Depois do fraquinho First Impressions Of Earth, e da tournée correspondente, os Strokes parecem ter entrado num longo período de silêncio. Neste hiato, os membros da banda nova-iorquina vão aproveitando para concretizar os seus projectos pessoais. Primeiro foi Albert Hammond Jr., que conta já com dois álbuns a solo no currículo. Agora é a vez do baterista Fabrizio Moretti apresentar os "seus" Little Joy.
Curiosamente, a génese do projecto remonta ao Verão de 2006, quando os Strokes pisaram pela primeira e única vez palcos portugueses. Foi por ocasião do festival Lisboa Soundz, que contava igualmente com os brasileiros Los Hermanos. Nos bastidores do festival, Moretti travou conhecimento com Rodrigo Amarante, elemento destes últimos, e deixou a promessa de gravarem qualquer coisa juntos.
Posteriormente, o brasileiro rumou a Los Angeles, onde se reuniu com o novo amigo americano. Para a concretização do projecto, ao duo inicial juntou-se a multi-instrumentalista Binki Shapiro. Das sessões de estúdio resultou Little Joy, um pequeno disco que, sem querer mudar o mundo, é seguramente o melhor trabalho com assinatura de um stroke nos últimos cinco anos. E a receita é muito simples: onze canções ligeiras e positivistas que, em período de temperaturas baixas, nos fazem já suspirar pela época estival.

Little Joy no MySpace

4 comentários:

Wellington Almeida disse...

"o brasileiro rumou a Los Angeles, onde se reuniu com o novo amigo americano."

Eu sei que te referias à banda, mas sabes que o Moretti é brasileiro tbm certo?

Abraços.

aBell Montenegro disse...

Ainda bem que falaste neste disco porque o achei uma agradável surpresa. Quero apenas sublinhar esta tua frase que diz tudo "...o melhor trabalho com assinatura de um stroke..."
Abraços

M.A. disse...

Não. Nem sequer fazia a mínima ideia, Wellington.

O Puto disse...

Já não é o primeiro nem o segundo post que vejo a falar dos (Big) Little Joy. Vou perscrutar. Abraço!