"Please don't think of us as an 'indie band' as it was never meant to be a genre, and anyway we are far too outward looking for that sad tag." - Stephen Pastel

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Introducing the bands

De uma penada, três descobertas recentes. Três bandas distintas e em diferentes estádios de desenvolvimento:

VIVIAN GIRLS

Não confundir com a banda australiana do mesmo nome: este trio feminino provém do meio artístico de Brooklyn, Nova Iorque. Assumem como principal influência os Black Tambourine, uma banda semi-obscura e de carreira breve do indie norte-americano de inícios de noventas que interessa (re)descobrir. Isto que dizer que abordam as produções de Phil Spector para as girl bands dos 60s com uma generosa dose de sujidade. Têm um álbum - homónimo - recentemente lançado pela reputada In The Red, que arrisca tornar-se uma adicção por estas bandas. Porque nem só de Pattis, Debbies, Polly Jeans e Karens se faz o rock no feminino...

MySpace

SKY LARKIN

O nome remete de imediato para um álbum clássico dos XTC. No entanto, servido por uma excelente voz feminina, este trio está bastante afastado dos sons angulares da new wave. Alguém já descreveu a sua música como "as Bikini Kill a tocar canções dos Grandaddy". Ao lote de referências acrescentaria ainda as Sleater-Kinney e a Björk dos primórdios. O currículo é ainda pobre: um EP e um par de singles. Mas, ao que se sabe, estão presentemente em Seattle a gravar aquele que será o álbum de estreia. São de Leeds, cidade no norte de Inglaterra com fortes pergaminhos no meio indie.

MySpace

HAVE A NICE LIFE

Será possível conjugar de forma coerente o lado etéreo dos My Bloody Valentine e dos The Cure, um certo negrume dos Joy Division e dos Sisters of Mercy, e o drone dos Earth e dos Sunn O)))? Com a estreia em longa-duração este enigmático duo do Connecticut responde afirmativamente à pergunta. O resultado pode, em determinados momentos, ser visto como uma versão mais arrastada dos A Place To Bury Strangers. Lançado no início deste ano, Deathconsciousness apresenta-nos cerca de duas horas de música resultantes de quatro anos de gravações. Já indisponível no seu formato convencional, o disco pode ser descarregado aqui pelo módica quantia de USD 5.00. Face ao tom negro dominante, só podemos concluir que o nome da banda revela algum cinismo.

MySpace

3 comentários:

eduardo disse...

vou pesquisar e dps volto para dizer de minha justiça.

eduardo disse...

gostei dos 2 primeiros.
os Have a nice life são drone demais para o meu gosto.

ParanoidAndroid disse...

eu ca gostei...